6 de agosto de 2014

Falando sobre... Young Adult e New Adult


O que diferencia os livros Young Adult dos New Adult? Essa é uma dúvida que vem se tornando cada vez mais frequente não só entre os leitores, como também, entre os autores. Afinal, saber o que limita um gênero do outro é essencial para que se possa compreender melhor quais são as características das histórias que se encaixam nessas categorias. E foi pensando nisso, que nos 12 e 13 de julho vários autores, leitores e blogueiros se reuniram na Convenção de Literatura Young Adult.

Na ocasião, escritores como Patrick Ness (Mundo em Caos), Rainbow Rowell (Eleanor & Park) e Sara Manning (Onde Deixarei Meu Coração), deram suas opiniões acerca do assunto e a maioria concordou que a principal diferença entre os gêneros é a protagonista adolescente dos livros YA em detrimento a protagonista que está entrando em uma vida mais adulta nos livros NA. Mas não é só isso, um ponto que foi bastante discutido entre os presentes foi a abordagem sexual nas histórias.

Pelo que se pôde observar através do que está no mercado editorial atualmente, enquanto que os livros YA apenas insinuam cenas de sexo e focam nas dúvidas e temores do personagem com relação a isso, os livros NA trazem cenas eróticas e explícitas sobre o tema. O que não quer dizer, é claro, que isso delimite uma faixa etária precisa para os leitores dessas histórias, já que da mesma forma que adultos podem comprar um livro que seria teoricamente voltado para o público jovem, o inverso também pode acontecer.

Outro ponto bastante discutido na convenção foi com relação a originalidade das histórias. Muitos autores comentaram que há muitas semelhanças nos livros e isso acaba tornando tudo um tanto clichê. Talvez isso seja uma consequência desses subgêneros pertencerem de forma bem direta ao gênero “romance”, ou talvez isso se deva a paixão que os leitores desenvolveram e que fizeram dos livros Young Adult e New Adult um verdadeiro fenômeno literário – que deixa de olhos brilhando a maioria dos escritores que sonham com o reconhecimento.

Mas afinal, quais são as características dessas histórias? Isso, você poderá conferir logo abaixo junto com algumas dicas de leitura que eu separei especialmente para esse post.


Características:

- Conflitos com a família.
- Traição entre amigos.
- Dúvidas com relação ao futuro profissional.
- Busca pelo primeiro amor.
- Personagens com autoestima baixa e complexo de inferioridade.
- Personalidade influenciável.
- Excesso de dramatização dos acontecimentos.
- Descoberta da sexualidade.
- Ambiente escolar (geralmente com rixas entre populares e nerds, e prática de bullying).

Dicas de Leitura:


  


Características:

- Histórias de vida trágicas.
- Descrição de cenas de tortura e abuso sexual.
- Busca pelo autoconhecimento, libertação ou recomeço.
- Personagens com problemas psicológicos em decorrência de traumas do passado.
- Algum tipo de dependência (seja psicológica, seja química).
- Personalidade mais agressiva ou antissocial.
- Ambiente universitário.
- Sublimação do amor.
- Erotismo.

Dicas de Leitura:


Pelo que pude observar tanto nas leituras que fiz, tanto com o artigo escrito pelo "The Guardian", é que os livros que compõe esses gêneros são sucesso de público sim. Ainda mais por trazer histórias tão envolventes e contagiantes, no entanto, invariavelmente essas histórias estão ficando cada vez mais parecidas umas com as outras e estão seguindo o mesmo caminho que seguiu o gênero da fantasia com a temática dos vampiros, lobisomens e tantos outros seres sobrenaturais. A questão é: esses "subgêneros" irão durar, ou irão cair no desagrado do público com o passar do tempo?

--- Isabelle Vitorino ---

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.



ATUALIZAÇÕES DO INSTAGRAM