Resenha: A Descoberta das Bruxas por Deborah Harkness

Eu conheci a história de "A Descoberta das Bruxas" por meio da série de TV. Logo após maratonar a primeira temporada, decidi que tinha ler o livro com urgência. No entanto, não encontrei aquilo que eu esperava... O porquê disso, conto na resenha de hoje.

Livro: A Descoberta das Bruxas
Série: Trilogia das Almas #1
Autora: Deborah Harkness
Editora: Rocco
Ano: 2011
Páginas: 640
Onde comprar: Amazon | Livraria Cultura
A professora Diana Bishop foi convencida pelo medo de que é melhor ser humana do que bruxa. Mas quando descobre um antigo manuscrito com a origem de espécies sobrenaturais, fica muito próxima do mundo do qual sempre fugiu. Demônios e vampiros passam a cruzar seu caminho, e o instinto de sobrevivência dessas criaturas faz Diana ser uma presa vulnerável. Até que ela seja capaz de dominar os próprios dons e usar seus poderes.

Tem na Netflix: Adaptações das obras do Stephen King


Se vocês acompanham nossa página no Facebook, devem ter notado que vez ou outra eu apareço para dar algumas dicas de filmes baseados nos livros do nosso querido mestre do terror. E como esse é um mês super especial, no qual adoramos entrar no clima de Halloween, vou unir essas grandes paixões para trazer algumas indicações de filmes e séries que adaptaram as histórias do Stephen King e que vocês podem encontrar na Netflix.

Aviso desde já que não farei a análise dessas adaptações, apenas indicarei para vocês aquilo que está disponível na plataforma de streaming, mas caso queiram, posso sim fazer resenha de algum deles. Ah, é só clicar no título para ir direto para a página correspondente na própria plataforma! Recados dados, vamos as indicações.

Resenha: Cujo por Stephen King

Apenas para que fique constatado nos autos do processo: vacinem seus cachorros. É um ótimo aliado para manter seus bichinhos saudáveis e para protegê-los de doenças e, quem sabe, possíveis possessões demoníacas.

Título: Cujo
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2016
Páginas: 376 páginas
Onde Comprar: Amazon | Submarino | Livraria Cultura
Frank Dodd está morto e a cidade de Castle Rock pode ficar em paz novamente. O serial-killer que aterrorizou o local por anos agora é apenas uma lenda urbana, usada para assustar criancinhas. Exceto para Teddy Trenton, para quem Dodd é tudo, menos uma lenda. O espírito do assassino o observa da porta entreaberta do closet, todas as noites. “Você pode me sentir mais perto... Cada vez mais perto.” Nos limites da cidade, Cujo – um São Bernardo de noventa quilos, que pertence a família Camber – Se distrai perseguindo um coelho para dentro de um buraco, onde acaba sendo mordido por um morcego raivoso.A trans formação de Cujo, como ele incorpora o pior pesadelo de Tad Trenton e de sua mãe, e como isso destrói a vida de todos a sua volta, é o que faz deste um dos livros mais assustadores e emocionantes de Stephen King.

Resenha: Todo Ar que Respiras por Judith McNaught

Sempre que penso em uma autora capaz de me arrancar suspiros com os seus romances o nome de Judith McNaught aparece em letreiros de néon da minha mente. Infelizmente, durante muito tempo os seus livros não foram tratados da maneira adequada aqui no Brasil, mas eis que desde meados de 2017 a editora Betrand voltou a publicar títulos que há muito estavam esgotadíssimos por aqui. E para celebrar esse momento especial, hoje trago a resenha de um dos livros mais emblemáticos da autora: Todo Ar que Respiras.

Título: Todo Ar que Respiras
Série: Segundas Oportunidades #4
Autora: Judith McNaught
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2008
Páginas: 488
Onde comprar: Amazon
Dona de um restaurante em Chicago, Kate Donovan não poupa esforços para cumprir seus objetivos. Mitchell Wyatt é um empresário de personalidade indomável, herdeiro da expressiva fortuna da família Wyatt. Kate tentou resistir a Mitchell, mas foi em vão. A princípio, deram passagem à timidez, mas com o tempo se entregaram a um turbilhão de emoções novas e mágicas, diferente de todas as experiências que já haviam vivenciado. O cenário da paixão arrebatadora é a ilha tropical de Anguila, território britânico no Mar do Caribe. Mas a plenitude da felicidade chega ao fim quando Mitchell é intimado por sua família a comparecer ao interrogatório sobre o desaparecimento de seu irmão. Insegura, Kate começa a desconfiar do que sabe a respeito de sua misteriosa paixão. Numa história que dosa paixão, mistério, assassinato e psicologia em tom dinâmico e arrebatador, a mestre do romance, Judith McNaught, autora do best-seller Whitney, Meu Amor, instiga leitores do mundo inteiro a conhecer o desfecho dessa eletrizante relação de Kate e Mitchell e das inúmeras intrigas em que se envolvem.

Resenha Especial: A Revolução dos Bichos por George Orwell

Há muito tempo tenho o desejo de conhecer os livros do autor George Orwell, pseudônimo de Eric Arthur Blair. No entanto, sempre posterguei o momento por acreditar que eu precisaria de uma maturidade maior para compreender a exata medida daquilo que ele se dispôs a tratar em suas obras. Por isso, quando me senti preparada me joguei de cabeça na história de "A Revolução do Bichos" e estou longe de me recuperar dos efeitos que esse livro surtiu na minha cabeça. O porquê disso, trago na resenha de hoje.

Título: A Revolução dos Bichos
Autor: Goerge Orwell
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 152
Ano: 2007
Onde comprar: AmazonSubmarino
Verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século 20, 'A Revolução dos Bichos' é uma fábula sobre o poder. Narra a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos. Progressivamente, porém, a revolução degenera numa tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stalin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos - expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História - mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, a obra passou a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell repetiria o mesmo gesto anos mais tarde com seu outro romance 1984, finalizado-o às pressas à beira da morte para que o mesmo service de alerta ao ocidente sobre o horrores do totalitarismo comunista. É irônico que o escritor, para fazer esse retrato cruel da humanidade, tenha recorrido aos animais como personagens. De certo modo, a inteligência política que humaniza seus bichos é a mesma que animaliza os homens. Escrito com perfeito domínio da narrativa, atenção às minúcias e extraordinária capacidade de criação de personagens e situações, A revolução dos bichos combina de maneira feliz duas ricas tradições literárias: a das fábulas morais, que remontam a Esopo, e a da sátira política, que teve talvez em Jonathan Swift seu representante máximo.