24 de julho de 2015

Resenha: Entrelinhas por Tammara Webber

É impressionante como uma autora que escreve um livro do qual você é completamente apaixonada, também é capaz de escrever um livro que pode ser descrito com apenas uma palavra: decepcionante.

Título: Entrelinhas
Série: Entrelinhas #1
Autor (a): Tammara Webber
Editora: Verus
Páginas: 347
Ano: 2015
Onde comprar: Saraiva | Submarino
Reid Alexander, um dos jovens atores mais bem pagos da atualidade, está acostumado a conseguir o que quer - e o que ele quer agora é Emma Pierce, a atriz novata que vai fazer par romântico com ele no próximo filme. Os astros parecem estar se alinhando para realizar o seu desejo, até que ele se vê diante de dois obstáculos inesperados: uma ex-namorada ressentida e um rival que vai disputar o coração de Emma. Emma Pierce acaba de receber uma oportunidade de ouro após anos atuando em comerciais e filmes para TV. Fazer o papel principal em um filme de grande orçamento, contracenando com o lindo Reid Alexander, deveria ser a realização de um sonho. Mas o coração de Emma esconde uma fantasia secreta: ela quer ser uma garota normal. Entrelinhas é o primeiro volume da série homônima de Tammara Webber, autora que já conquistou os leitores brasileiros com livros como Easy e Breakable. Embarque em mais esta história arrebatadora, que vai deixar você querendo muito mais.


Emma Pierce é uma jovem aspirantes a atriz que durante muito tempo teve que lutar para ser vista como alguém com talento. Participando de comerciais de TV e de alguns filmes de pequeno alcance, ela deixou de estudar na escola como qualquer pessoa normal e recebe sua educação através de tutores. A única coisa que a mantém com um pé na normalidade é a sua melhor amiga Emmily, que se junta a ela nos surtos teenagers que ela tem pelo Reid Alexander. Mas a grande verdade é que Emma está longe de querer para si a vida de glamour que seu pai e sua madrasta esperam, ela só queria poder seguir o seu coração. No entanto, isso fica cada vez mais difícil quando ela finalmente consegue um papel de grande destaque e está prestes a mergulhar de cabeça no mundo hollywoodiano.

Reid Alexander é um jovem prodígio do cinema que tem o mundo aos seus pés, ele acaba de ser convidado para estrelar uma adaptação juvenil do clássico "Orgulho e Preconceito" e embarca em uma série de audições para escolher a garota que terá a sorte de dar vida a personagem Lizbeth e compartilhar as cenas ao seu lado. Ele não se importava em ficar tanto tempo fora de casa, pois o que ninguém imaginava era que ele não suportava ver sua mãe mergulhar no álcool para apaziguar os sentimentos conflitantes que tinha pelo seu pai. Entretanto, a parte boa de estar fora era conhecer garotas como Emma. Ela que parece possuir toda a ingenuidade que ele perdeu há muito tempo, desperta nele uma vontade de conquistá-la por mais que o que sinta pela sua ex, que também está escalada para o filme, não esteja resolvido. No entanto, a rivalidade com Graham pode resolver de uma vez por toda essa conflito pelo coração de Emma.

Sinceramente eu ainda não consigo acreditar que a mesma autora que escreveu um livro tão lindo e delicado como "Easy", também escreveu "Entrelinhas". O maior problema dessa história não são os elementos que a autora trabalha no seu enredo, já que podemos ver desde problemas familiares envolvendo a pressão familiar para seguir uma determinada carreira a questões como infidelidade e alcoolismo. O que realmente incomoda é a maneira quase superficial que a autora abordar esses temas, pois após mostrar as nuances que determinam as escolhas de cada um dos personagens, tudo isso é posto de lado e a descrição da vida nada bacana das estrelas de cinema começam a ser abordadas por um longo tempo.

Como um todo, os personagens não causam grande impressão e apesar de ser uma leitura extremamente fluída, dada a enorme habilidade que a autora tem de conduzir o leitor pelo seu enredo mesmo quando ele não é tão interessante, não é uma história que impacte o leitor. Isso está muito relacionado aos personagens porque eles não causam a empatia necessária para que possamos nos identificar com os seus dramas oriundos de paixões adolescentes e triângulos amorosos. No entanto, tenho que admitir que mesmo não gostando disso, é justamente no que tange as escolhas impulsivas e os sentimentos à flor da pele que a autora acerta no tom e consegue transpor certa realidade para as suas páginas. Sim, isso é um espelho da impulsividade tão típica dessa fase de nossas vidas que mesmo quem já passou por ela há algum tempo consegue entender a introdução desses aspectos.

Além disso, foi tudo ameno demais, inclusive a postura dos protagonistas. Se por um lado temos Emma, uma garota que não quer seguir a carreira que o seu pai e a sua madrasta querem, temos o Reid que está acostumado a ter tudo o que quer por ser um galã cobiçado pelas mulheres e invejado pelos homens. É um clichê que segue ricos, famosos e aspirantes, mas que não consegue ser profundo o suficiente para satisfazer o leitor que quer algo mais que uma leitura para apenas se distrair um pouco. Por isso, por mais que eu tente, não consigo deixar de lamentar por a autora não ter colocado a mesma delicadeza e profundidade que foi possível perceber em "Easy", pois mesmo não querendo comparar as duas obras, é impossível não fazê-lo quando há tamanha discrepância na qualidade textual de histórias de um mesmo escritor.

Ademais, por ser o primeiro livro de uma série, o desfecho foi satisfatório, mas também não foi nada de acelerar o coração e de ansiar pelos próximos livros da série. A verdade é que eu poderia ter gostado um pouco mais da história se a ambição de encontrar um enredo mais trabalhado e com menos dramas adolescentes não tivesse me acompanhando desde o primeiro momento. Mas confesso que depois dessa decepção não sei se continuarei a ler a série. Acredito que assim como eu, os leitores que forem em busca daquela narrativa que a autora entregou em outras obras suas, não irá curtir tanto esse livro. No entanto, aqueles que gostam de um young adult rápido de ler, podem desfrutar muito mais dessa história.

Eu devia ser grata, devia me sentir sortuda – e sou grata, me sinto sortuda. Mas, mesmo que você tenha tudo que todos desejam, se não for o que você deseja, não é o ponto-final.

Playlist:

Jessie J – Price Tag

--- Isabelle Vitorino ---

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.



ATUALIZAÇÕES DO INSTAGRAM