10 de dezembro de 2014

Resenha: P.R.A.T.A – O Assassino Relutante por Eoin Colfer

Com uma proposta diferente do que se vê comumente em livros infantojuvenis o autor Eoin Colfer trouxe para a sua história uma ficção científica que surpreende o leitor com um enredo que transita pelo gênero policial e histórico. Por isso se você gosta de um desses temas, não deixe de conferir essa resenha.

Título: O Assassino Relutante
Série: P.R.A.T.A
Autor: Eoin Colfer
Editora: Galera Record
Páginas: 352
Ano: 2014
Onde comprar: Saraiva | Submarino
Chevie, 16 anos, era agente mirim do FBI até esse programa sair um pouco do controle. Trabalhando agora para Programa de RelocAção de Testemunhas Anônimas, enquanto a poeira do seu fracasso abaixa, ela acha que tudo o que precisa fazer é ficar de olho o dia todo numa máquina do tempo esquisita. Mas tédio é o que menos ela consegue quando, junto ao infeliz Riley, precisa fugir de um assassino em série da era vitoriana que os persegue através das épocas.

Chevron Savana é uma garota de dezessete anos que foi selecionado para fazer do programa P.R.A.T.A do FBI e por isso é uma das agentes especiais mais jovens que os Estados Unidos tem sob o seu comando. Comprometida com a causa, ela se envolveu em um escândalo que quase a relegou ao status de “aposentada”. Quase, porque graças ao seu comprometimento ela recebeu uma segunda chance e foi mandada para Londres a fim de esperar os ânimos se acalmarem. Ela só não sabia que a terra da Rainha reservava tantos perigos para ela e que o FBI possuía tantos segredos.

Riley é um pobre garoto órfão da era Vitoriana que está sob o julgo do mágico e serial killer Garrick. Sem ter escapatória, ele está sendo treinado para ajudar o assassino a cometer crimes mesmo que isso vá contra todos os seus princípios. Mas quando ele é finalmente posto à prova, algo extraordinário acontece: a vítima aciona um dispositivo e o envia para a Londres do futuro. Ele não entende o que está acontecendo, a única coisa que ele sabe é que está em uma espécie de porão sendo retido por uma garota muito brava. A arma que ela tinha em mãos deixaria qualquer um com medo, mas a possibilidade que o terrível Garrick pudesse ir atrás dele era a única coisa que ele tinha em mente antes de ser detido pela jovem agente.

Há algum tempo eu tive o meu primeiro contato com a escrita de Eoin Colfer e me encantei com a sua maneira de me inserir a um universo completamente diferente ao que estava acostumada através de um enredo de ficção científica. Em “O Assassino Relutante” eu já esperava encontrar uma história pautada nesse gênero e ter a mesma relutância inicial em acreditar naquilo que o autor escreveu como aconteceu quando li “Colin Cosmo e Os Supernaturalistas”. Mas dessa vez percebi que fiquei muito mais relutante com o seu livro por uma simples questão: a fase introdutória do seu livro parecia não ter mais fim.

Esse aspecto me fez postergar tanto a leitura que passei dias e dias para alcançar a metade do livro e não conseguia nem me entrosar com a história, nem simpatizar com a protagonista. Ainda mais porque são mais de 150 páginas para narrar um curto período de tempo em que as reviravoltas são poucas, previsíveis e os diálogos pareciam forçados demais para me fazer ansiar por continuar lendo. Confesso que pensei em desistir da leitura, mas aí o Eoin Colfer fez algo que eu não iria ter paz senão conferisse: ele mandou seus personagens para uma Londres Vitoriana em que tudo era possível acontecer.

E aconteceu, meus caros. Trazendo uma segunda parte de tirar o fôlego para a sua história, o autor teve uma sacada sensacional ao colocar Chevie para vivenciar as situações inimagináveis que os agentes que a antecederam tiveram que viver. Principalmente porque ela estava sendo perseguido pelo personagem mais louco que eu encontrei em um livro infantojuvenil. Sendo de longe um dos melhores vilões que acompanhei, Garrick é sádico, egocêntrico, inteligente, apaixonado e teve um embate até com o temível Jack, o Estripador. Cada trecho narrado por ele conseguia ser tão interessante que por vezes eu ansiava mais por ver o seu ponto de vista da história do que o dos mocinhos.

O que não quer dizer que Riley não tenha me encantado, porque com traços do homem que o criou, as únicas coisas que o diferenciavam de Garrick era sua bondade e o fato dele não possuir a sede de sangue do mágico. O que o tornava um rival poderoso e capaz de derrotar o assassino. Sem contar que o seu jeitinho de garoto do passado, era tão contagiante que era impossível não torcer por ele. Infelizmente não consegui gostar de Chevie. Toda a sua história me pareceu muito forçada e em nenhum momento ela me convenceu. O lado positivo é que como sua história segue em conjunto com a de Riley, pude vê-la em ação sem ter que ver muito do seu ponto de vista.

O que quero dizer com todas essas descrições e sentimentos? Que “O Assassino Relutante” tem pontos negativos e positivos muito bem definidos. Nesse sentido, o autor deixou muito a critério dos gostos pessoais do leitor a identificação com a sua história. No meu caso, a balança ficou equilibrada, o que pendeu para o lado positivo foi a maneira genial com a qual o autor me surpreendeu quando eu achei que tudo estava perdido. Por isso se você gosta de ficção científica, viagens no tempo, assassinatos em série e anseia por ver um outro lado de Londres,  dê uma chance ao primeiro livro da série P.R.A.T.A. Você pode até não gostar de tudo, mas tenho certeza que ao menos irá se divertir com a história de Eoin Colfer.

Vida e morte são as duas extremidades da mesma viagem. Pág. 147

Playlist:


--- Isabelle Vitorino ---

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.



ATUALIZAÇÕES DO INSTAGRAM