Resenha: A Condessa Sangrenta por Alejandra Pizarnik

Uma editora que sempre me surpreende com os seus lançamentos e com a qualidade de tudo que publicam, é a editora Tordesilhas. É inacreditável como eles sempre me proporcionam experiências de leituras extraordinárias e com livros que eu sequer conhecia. "A Condessa Sangrenta" foi mais um livro arrasador da editora. Garanto a vocês, quem curte uma história baseada em fatos reais e ilustrações bem macabras, precisa conhecer esse livro!

Título: A Condessa Sangrenta
Autor (a): Alejandra Pizarnik
Ilustrador: Santiago Caruso
Editora: Tordesilhas
Ano: 2011
Páginas: 60
Onde comprar: Saraiva | Submarino
A Condessa Sangrenta - Novela de terror inspirada na vida da condessa húngara Erzsébet Báthory, condenada pelo assassinato de 650 jovens mulheres com requintes de crueldade.Vários dos tormentos aos quais as jovens foram submetidas são descritos no livro. Primeira obra da autora publicada no Brasil.Posfácio de João Silvério Trevisan (autor de Ana em Veneza e Devassos no Paraíso). Ilustrações do argentino Santiago Caruso.

Mundo dos Quadrinhos #1: Como Começar a Ler Quadrinhos?


Primeiramente, saúdo todos os leitores e membros do Blog, que abriram esse espaço para que possamos discutir sobre um de meus hobbies favoritos da vida: os quadrinhos.

Então, em uma rápida apresentação: “Olá, meu nome é Marcel Elias, eu sou um leitor de HQ’s.”

Meu fascínio pela nona arte começou através de antigas animações, mas foi somente em meados do ano 2000 que comecei de fato a comprar e acompanhar assiduamente títulos e arcos fechados, num casamento que perdura até hoje.

Quando falo para as pessoas que sou um leitor de quadrinhos, as que não reviram os olhos e/ou julgam infantilidade para um cara de 23 anos (o mesmo quando falo que sou fã da Disney), geralmente me fazem um mesmo questionamento:

“Acho uma forma de entretenimento bastante interessante, mas são muitos os quadrinhos,  mesmo para um grupo apenas... Por onde eu deveria começar a ler?

Curta Cinema: Mad Max – Estrada da Fúria


Título no Brasil: Mad Max – Estrada da Fúria
Título Original: Mad Max – Fury Road
Diretor: George Miller
Duração:120 minutos (2 horas)
Elenco: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult, Hugh Keays-Byrne.
Após ser capturado por Immortan Joe, um guerreiro das estradas chamado Max (Tom Hardy) se vê no meio de uma guerra mortal, iniciada pela Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) na tentativa se salvar um grupo de garotas. Também tentanto fugir, Max aceita ajudar Furiosa em sua luta contra Joe e se vê dividido entre mais uma vez seguir sozinho seu caminho ou ficar com o grupo.

Rory Gilmore Project: Um Projeto de Vida


Ontem foi o meu aniversário e nada melhor do que uma data como essa para aderir um projeto que provavelmente me acompanhará por toda a minha vida: o Rory Gilmore Project. Como comentei com vocês no "Falando sobre... Meus Hábitos de Leitora", não sou muito boa com metas e eu sempre desisto pela metade delas. No entanto, depois de tanto tempo vendo algumas postagens empolgadas de leitores e blogueiros, decidi que seria interessante trazer esse desafio para a minha vida de leitora.

O que eu mais gostei desse projeto é que além dele estar relacionado a personagem Rory (uma garota que sonha cursar jornalismo em Harvard e que adora ler) da série "Gilmore Girls", ainda tem uma lista maravilhosa de livros que vão desde clássicos da literatura a escritos do Stephen King, que a personagem leu ou fez referência durante as sete temporadas da série. Sinceramente? Não sei se conseguiria encarar um projeto que não tivesse bastante variedade. Estou em uma fase meio chata de leitura e quero sempre ter coisas diferentes para ler. Por isso esse desafio é perfeito para mim!

Falando sobre... Meus Hábitos de Leitora


Sempre fui uma leitora sem hábitos definidos. Quer dizer, além de precisar de um lugar confortável, eram poucas as coisas necessárias para que eu sentisse vontade de ler algo. Mas até mesmo esse ponto ruiu com a rotina e agora basicamente o único critério que eu tenho é tempo. Se eu tiver tempo, pode ter certeza que qualquer lugar se torna apto para que eu realize as minhas leituras. Até mesmo o ônibus.

Sim, esse lugar desconfortável e barulhento se tornou um dos meus grandes trunfos para ler. Infelizmente meu tempo é curto demais e o sono um companheiro inseparável em minha vida, o tempo que eu passo que poderia ser considerado ocioso, acaba indo para tirar algumas olheiras que ficaram no meu rosto por dias à fio. É certo que a depender do que eu estiver lendo, eu até abdico de um cochilo, mas às vezes a minha mente já está tão cansada que tudo o que eu quero fazer é curtir um tempo de absoluta observação do nada (podem rir de mim, eu deixo).

Mas mesmo não tendo muitos hábitos, há quem diga que eu tenho o suficiente para ser uma leitora um tanto peculiar. Quer saber que hábitos mais eu tenho? Então, vamos lá...

Resenha: A Cidade Murada por Ryan Graudin

Sabe aqueles livros que conseguem te encher de tantas emoções que é impossível pensar nele sem sentir um pouco de nostalgia? Pois bem, "A Cidade Murada" é exatamente esse tipo de livro. Minha relação com ele foi tão profunda que é depois de tomar uns dias para criar coragem que hoje eu venho aqui falar um pouco dele para vocês.

Título: A Cidade Murada
Autor (a): Ryan Graudin
Editora: Seguinte
Páginas: 400
Ano: 2015
Onde comprar: Saraiva
A Cidade Murada é um terreno com ruas estreitas e sujas, onde vivem traficantes, assassinos e prostitutas. É também onde mora Dai, um garoto com um passado que o assombra. Para alcançar sua liberdade, ele terá de se envolver com a principal gangue e formar uma dupla com alguém que consiga fazer entregas de drogas muito rápido. Alguém como Jin, uma garota ágil e esperta que finge ser um menino para permanecer em segurança e procurar sua irmã. Mei Yee está mais perto do que ela imagina: presa num bordel, sonhando em fugir… até que Dai cruza seu caminho. Inspirado num lugar que existiu, este romance cheio de adrenalina acompanha três jovens unidos pelo destino numa tentativa desesperada de escapar desse labirinto.

Resenha: Calvin e Haroldo – As Tiras de Domingo (1985-1995) por Bill Watterson

A resenha de hoje é especial por vários motivos. Primeiro, nunca escrevi sobre tirinhas – essa é uma novidade que me deixa um pouco assustada. Segundo, Calvin e Haroldo ganharam o meu coração de uma forma tão inigualável que mal posso esperar para viver mais aventuras com eles. Por isso, sejam bonzinhos comigo e curtam esse amor em forma de desenhos.

Título: Calvin e Haroldo – As Tiras de Domingo (1985-1995)
Autor: Bill Watterson
Editora: Conrad
Páginas: 95
Ano: 2014
Onde comprar: Saraiva
Calvin e Haroldo - As Tiras de Domingo 1985 - 1995 - As compilações de tiras de Calvin e Haroldo são ótimo livros para ter, mas a oportunidade de ver os originais e ler o que Bill Watterson pensa a respeito é um privilégio. Ele generosamente compartilhou não só sua arte, mas sua vida e seus pensamentos. Quando analisei o trabalho escolhido para a exposição, eu sabia que os visitantes chegariam aos risos e iriam embora às lágrimas. (Do Prefácio de Lucy Shelton Caswell, professora e curadora da Biblioteca de Pesquisa de Quadrinhos e Cartuns da Universidade Estadual de Ohio, em junho de 2001).