Resenha: Para Onde Vai o Amor? por Fabrício Carpinejar

Muitos de vocês devem estar se perguntando o que aconteceu com as pessoas que escrevem para o blog. E antes de iniciar essa resenha, vou abrir um parênteses para esclarecer esse pontos. O que aconteceu foi o seguinte: eu fui engulida pelo volume de disciplinas da faculdade, Marcel pelo seu TCC e a caça pelo estágio, Juliana pela descoberta da gravidez (de gêmeas) e a correria da faculdade, e o Juão está no final da  graduação e com um projeto super bacana de cursinho preparatório. Ou seja, não sobrou tempo para nada, mas vejam bem, o nosso amor pelo blog não acabou. Por isso que quando podemos, estamos por aqui. Espero que compreendam e continuem nos acompanhando. E para marcar a minha volta, nada melhor que falar sobre um livro que se tornou uma quebra das correntes da minha zona de conforto por trazer algo novo nas minhas leituras: as crônicas.

Título: Para Onde Vai o Amor?
Autor: Fabrício Carpinejar
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 176
Ano: 2015
Onde comprar: Saraiva | Submarino
O amor não é uma propriedade de quem sente, é uma transferência total para quem é amado Você que está vendo este livro com dúvida se precisa dele, você não precisa dele, precisa de si, vive caçando uma palavra que confirme o que deseja, está atrás de um escritor que possa lhe recomendar de volta para quem brigou, com capacidade de explicar o que sente e traduzir seus tormentos. Mas já sabe o que deseja, não há como convencer do contrário, os amigos mostraram que seu relacionamento não tem futuro. Não acredita neles, acredita somente no milagre. E como justificar um milagre, ainda mais para quem não tem mais fé? Eu entendo o que está passando: sua raiva, sua amargura, seu cinismo, seu desencanto. Percebeu que a razão não conforta, que a vingança ou o perdão não ressuscita a tranquilidade, que o fundo do poço nunca se equivale ao nosso fundo. Você parece normal, mas todo mundo deixa de ser normal quando se apaixona e se separa. Se sua expectativa é por uma solução, eu guardo apenas uma certeza que trará alívio mais adiante: você não vai desistir. Quando diz que acabou a relação, é que está procurando um outro jeito de recomeçar. Em seu novo livro de crônicas, Carpinejar apresenta 42 textos que sobre amor, desilusão amorosa, casamento, divórcio, saudade e outros sentimentos que compõem os relacionamentos. • Novo livro de crônicas do autor gaúcho. • Décimo sexto livro do autor publicado pela Bertrand Brasil — oitavo de crônicas.

Resenha: Star Wars - Estrelas Perdidas por Claudia Gray

E depois de um tempo in off, o blog volta aos seus trabalhos com força total. Para mostrar que a força é realmente nosso lema, hoje vamos falar do livro "Star Wars: Estrelas Perdidas". Let's go!


Título: Star Wars - Estrelas Perdidas
Autor: Claudia Gray
Editora: Seguinte
Páginas: 488
Ano: 2015
Onde comprar: Saraiva | Submarino
Ciena Ree e Thane Kyrell se conheceram na infância e cresceram com o mesmo sonho: pilotar as naves do Império. Durante a adolescência, sua amizade aos poucos se transforma em algo mais, porém diferenças políticas afastam seus caminhos: Thane se junta à Aliança Rebelde e Ciena permanece leal ao imperador. Agora em lados opostos da guerra, será que eles vão conseguir ficar juntos?

Resenha: A Garota Sem Passado por Michael Kardos

Na resenha de hoje, vamos embarcar em um drama bastante envolvente e com um final surpreendente. Vamos lá?

Título: A Garota Sem Passado
Autor: Michael Kardos
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Ano: 2016
Onde comprar: Saraiva | Submarino
Num domingo de setembro de 1991, Ramsey Miller deu uma festa em casa para os vizinhos. Depois, assassinou a esposa e a filha de 3 anos. Todo mundo na pacata cidade de Silver Bay conhece a história. Só que todos estão errados. A menina escapou. Sob o nome falso de Melanie Denison, ela passou os últimos quinze anos escondida com os tios numa cidadezinha remota. Nunca pôde viajar, ir a uma festa na escola ou ter internet em casa, porque Ramsey jamais foi encontrado e poderia ir atrás dela a qualquer momento. Mas, apesar das rígidas regras de segurança impostas pelos tios, Melanie se envolve com um jovem professor da escola local e engravida. Ela decide que seu filho não terá a mesma vida clandestina que ela e, para isso, volta a Silver Bay para fazer o que nem os investigadores locais, nem a polícia federal, nem o FBI conseguiram: encontrar seu pai antes que ele a encontre.

Resenha Especial: De Profundis por Oscar Wilde

Pouco autores conseguiram me tocar como Oscar Wilde. É só isso que posso dizer para vocês antes de iniciar essa resenha.

Título: De Profundis
Autor: Oscar Wilde
Editora: Tordesilhas
Ano: 2014
Páginas: 208
Onde comprar: Livraria Cultura | Submarino
Reconhecido por seu distinto talento literário, Oscar Wilde também atrai grande interesse em função de sua vida pessoal, cuja reconstituição baseia- se em partes nos escritos biográficos e não ficcionais dentre os quais o mais famoso talvez seja a epístola De Profundis. Já um autor prolífico e renomado, Wilde se envol[veu com o jovem britânico Lord Alfred Douglas, a chamava de Bosie. Numa época em que a homossexualidade era considerada crime, a relação amorosa acabou custando ao escritor irlandês uma sentença de prisão por indecência grave em maio de 1845. Isolado da sociedade, Wilde continuou ocupando-se das letras enquanto estava encarcerado. Numa dessas ocasiões, escreveu uma carta a Bosie que ganharia o título latino de De Profundis. Referência à passagem bíblica do salmo 130, a expressão em português, das profundezas metaforiza uma terrível angustia e, segundo alguns críticos a morte. A epístola dá conta das dificuldades sofridas por um Wilde flagrantemente amargo e queixoso, que revive episódios de sua relação com Bosie por meio da escrita e reflete sobre a humanidade e os dilemas éticos da sociedade. De Profundis corre por fora do cânone de Oscar Wilde, sendo uma obra menos estudada que clássicos como O Retrato de Dorian Gray. 

Resenha: Garoto Encontra Garoto por David Levithan

Sempre tive curiosidade em ler um romance que tivesse, como pano de fundo, temáticas GLBT, pois queria ver como os autores abordavam esse tipo de tema, ainda considerado polêmico em diversas partes do nosso globo. Sendo David Levithan um dos "novos queridinhos” entre os jovens leitores, ao lado de John Green, resolvi juntar a fome com a vontade de comer e passar a conhecer o trabalho deste ator. Vamos desbravar essa pequena cidade norte-americana que tem tantas peculiaridades, que o fato de ser “gay-friendly”¹ torna-se uma característica bem singela.

Título: Garoto Encontra Garoto
Autor: David Lavithan
Editora: Galera Record
Ano: 2014
Páginas: 240
Onde comprar: Saraiva | Submarino
Paul estuda em uma escola nada convencional. Líderes de torcida andam de moto, a rainha do baile é uma quarterback drag-queen, e a aliança entre gays e héteros ajudou os garotos héteros a aprenderem a dançar. Paul conhece Noah, o cara dos seus sonhos, mas estraga tudo de forma espetacular. E agora precisa vencer alguns desafios antes de reconquistá-lo: ajudar seu melhor amigo a lidar com os pais ultra religiosos que desaprovam sua orientação sexual, lidar com o fato de a sua melhor amiga estar namorando o maior babaca da escola e, enfim, acreditar no amor o bastante para recuperar Noah.

Resenha Especial: Madame Bovary por Gustave Flaubert

Que "Madame Bovary" é um dos clássicos mais famosos do mundo, isso ninguém tem dúvidas. Polêmico ao extremo, desde sua publicação, o livro vai trazer à tona o realismo à literatura, nos entregando uma personagem totalmente dona de si, por mais errada que seja. Venham comigo desbravar mais uma daquelas histórias que, de tão conhecidas, poucos acabam por lê-la.

Título: Madame Bovary
Autor: Gustave Flaubert
Editora: Martin Claret
Ano: 2015
Páginas: 398
Onde comprar: Saraiva
Texto de suma importância, “Madame Bovary” é uma leitura essencial, sendo considerado um dos melhores romances da literatura, sendo, provavelmente, o melhor dos livros do romance realista de caráter psicológico do século XIX. Para mostrar seu mundo, Flaubert põe em cena uma personagem em total desacordo com sua realidade, com sua posição social e com seu sexo. É nessa personagem que se centrarão as ações desenvolvidas na narrativa e os principais dilemas da obra.

Resenha: Enquanto Bela Dormia por Elizabeth Blackwell

Queridos leitores, hoje vamos ao encontro de um dos livros mais emocionantes que eu já li em toda a minha vida! Nunca pensei que uma releitura de um clássico pudesse superar o mesmo. Esta é uma verdadeira obra prima. Vamos lá?

Título: Enquanto Bela Dormia
Autor (a): Elizabeth Blackwell
Editora: Arqueiro
Ano: 2016
Páginas: 368
Onde comprar: Saraiva | Submarino
Nos salões de um castelo, uma confidente leal guardou por muitos anos os segredos de uma rainha linda e melancólica, uma princesa que só queria ser livre e uma mulher que sonhava com a coroa. Esta é sua história. Ambientada em meio ao luxo e às agruras de um reino medieval, esta releitura de A Bela Adormecida consegue ser fiel ao clássico ao mesmo tempo que constrói uma narrativa recheada de elementos contemporâneos. Nessa mescla, os dramas de seus personagens – um casal infértil, uma jovem que não aceita viver em uma redoma e uma família despedaçada pela inveja – tornam-se atemporais. Quando a rainha Lenore não consegue engravidar, recorre aos supostos poderes mágicos da tia do rei, Millicent. Com sua ajuda, nasce Rosa, uma menina linda e saudável. No entanto, a alegria logo dá lugar às sombras: o rei expulsa de suas terras a tia arrogante, que então jura se vingar. Seu ódio se torna a maldição que ameaça a vida de Rosa. Assim, a menina cresce presa entre os muros do castelo, cercada dos cuidados dos pais e de Flora, a tia bondosa e dedicada do rei que encarna a fada boa do conto original. Mas quando todas as tentativas de proteger Rosa falham, é Elise, a dama de companhia e confidente da princesa, sua única chance de se manter viva. E é pelos olhos dessa narradora improvável que conhecemos todos os personagens, nos surpreendemos com o destino de cada um e descobrimos que, quando se guia pelo amor – a magia mais poderosa do mundo –, qualquer pessoa é capaz de criar o próprio final feliz.