16 de dezembro de 2016

Resenha: Pecados no Inverno por Lisa Kleypas

Essa é a segunda série da autora Lisa Kleypas que eu acompanho e para o meu espanto, assim como, ocorreu durante a leitura de "Os Hathaways", o interesse que a história despertou em mim foi lento e progressivo. Tanto que é apenas com a leitura desse terceiro livro que sinto que posso dizer com sinceridade que estou adorando acompanhar essa série. O porquê disso? Confiram na resenha de hoje!

Título: Pecados no Inverno
Autor (a): Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Ano: 2016
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino

Agora é a vez de Evangeline Jenner, a Wallflower mais tímida que também será a mais rica quando receber sua herança. Mas primeiro ela tem que escapar das garras de seus ambiciosos parentes, Evie recorre a Sebastian, visconde de St Vincent, um conhecido mulherengo, com uma proposta incrível: que se case com ela! A fama de Sebastian é tão perigosa que trinta segundos a sós com ele arruínam o bom nome de qualquer donzela. Mesmo assim, esta cativante jovenzinha se apresenta em sua casa, sem acompanhante, para lhe oferecer sua mão. Mas a proposta impõe uma condição: depois da noite da lua-de-mel, o casal não voltará a ter relações íntimas. Evie não deseja torna-se apenas mais uma que Sebastian descarta sem piedade, o que significa que Sebastian simplesmente tem que trabalhar mais duro na sua sedução... ou, talvez entregar seu coração pela primeira vez em nome do verdadeiro amor.


Evangeline Jenner não espera mais que alguém a ame verdadeiramente, pois em uma sociedade onde as aparências sempre foi o mais relevante a ser observado, ela simplesmente não se encaixava nos padrões impostos. Ruiva, com sardas e gaga, ela era constantemente ridicularizada pelas pessoas. Se tornando cada vez mais tímida, ela não tinha ninguém com quem compartilhar os terríveis momentos que passava nas mãos de sua família abusiva. Órfã de mãe e com o pai à beira da morte, esperar que as suas únicas amigas conseguissem um casamento para ela não era uma opção, pois apesar de ter sido negligenciada durante toda a sua vida por seu pai, um rico dono de uma casa de jogos londrina, ela não permitiria que ele morresse sem que recebesse os seus cuidados. Decidida a tomar o controle de sua vida para si, ela faz o inimaginável: propõe casamento ao mais famosos libertino de Londres, o visconde St. Vicent que acabara de raptar a sua amiga Lillian.

Sebastian não é um homem que qualquer alma viva chamaria de honrado, por isso ao ver aquela mulher inocente sentada na sua sala sem nenhuma acompanhante, ele não podia imaginar o que poderia querer dele. Será que ela queria confrontá-lo por seu compartamento com uma de suas amigas? Não, nenhuma possibilidade que ele pudesse imaginar chegaria perto da realidade, pois o que aquela coisinha sem graça queria era algo que apenas as mulheres que conheciam suas proezas sexuais desejavam: casar-se com ele. Ele poderia facilmente mandá-la de volta para casa, mas a sua difícil situação econômica provocada pelo seu pai que não fizera nada mais que gastar toda a sua riqueza, não permitiam que ele recusasse uma dama rica que se colocava de bom grado em sua vida ofertando sua riqueza. Seria um casamento por conveniência, disso ele não tinha dúvidas. Por isso, não pensou muito antes de aceitar a proposta que mudaria para sempre a sua vida.

Quando lembro dos acontecimentos de "Era Uma Vez no Outono" não consigo deixar de sentir minha moral sendo corrompida por ter me encantado com Sebastian. A verdade é que depois de muita relutância de minha parte em ler esse livro por temer como iria me sentir com o visconde ganhando uma história de amor após ter atormentado minha querida Lillian, eu cedi a curiosidade e me entreguei a essa leitura. A princípio aconteceu o que eu já imaginava, eu xinguei mentalmente a Evie durante o primeiro terço de livro, pois mesmo entendendo que a sua situação não era fácil e que os abusos de sua família era algo horrível demais para alguém suportar sem ter ninguém para sequer conversar sobre o assunto, eu não conseguia como alguém tão doce pudesse se aproximar de um calhorda que queria apenas o seu dinheiro. Sou romântica demais para aceitar um caminho tão tortuoso, mas que bom que prossegui com a leitura já que a Lisa Kleypas conseguiu me surpreender enormemente com o que propôs para esse casal.

Para começar vamos percebendo que Evangeline não é a tola tímida que todos imaginavam, pois espirituosa e dona de uma personalidade forte, ela consegue guiar Sebastian para onde ela quer com tamanha delicadeza que ele sequer percebe que ela é quem está dominando a situação. Ver um libertino sendo persuadido é algo impagável, ainda mais quando se trata desse visconde, pois com um autoestima pra lá de elevada, ele não poupa elogios a si mesmo e as suas proezas sexuais. E é em se tratando desse último aspecto que a autora me conquistou, pois tratando o tema com atenção, ela não permitiu que Evie fosse apenas mais uma mulher na cama de St. Vincent e fez com que ele fizesse por merecer cada atenção que ela deu pra ele. E como não só de romantismo sobrevive uma obra, Kleypas acrescentou alguns mistérios que fez tudo ficar mais interessante. Temos desde uma família gananciosa ameaçando anular o casamento do casal, quanto um ex empregado do pai de Evangeline agindo de modo insandecido para atingi-la.

Esses detalhes tornaram a dinâmica do livro muito bacana de acompanhar, eu só senti por a autora ter simplesmente deixado de lado um deles sem apresentar uma resolução que fosse a altura do problema. Até mesmo porque ele tinha uma grande importância para a mocinha para ser completamente esquecido. Uma das coisas mais legais desse livro foi ter revisto um dos meus personagens favoritos da série "Os Hathaways" que é o Cam Rohan, apesar dessa história se passar anos antes do cigano ter sua própria vida exposta para nós, ainda assim é possível obter um vislumbre do homem misterioso que ele é. Como um todo, posso dizer que "Pecados no Inverno" consegue conquistar até os leitores mais resistentes ao lorde St. Vicent, pois apesar de todas as canalhices que ele fez, no decorrer das páginas ele conseguiu alcançar a sua redenção com atitudes que demonstraram a sua transformação, bem como, a sua devoção por Evie. Mal posso esperar para conhecer a história de amor de Daisy.

Em seus sonhos, tinha se imaginado casando com um homem bom e sensível. Ele nunca zombaria dela por gaguejar. Seria amoroso e gentil. Sebastian, lorde St. Vincent, era o oposto do amante de seus sonhos. Não havia nada de bom, gentil, sensível ou amoroso nele. Era um predador que gostava de brincar com sua presa antes de devorá-la.Pág. 17

--- Isabelle Vitorino --- 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.



ATUALIZAÇÕES DO INSTAGRAM