9 de janeiro de 2016

Curta Cinema: Star Wars – O Despertar da Força


Título no Brasil: Star Wars - O Despertar Da Força
Título Original: Star Wars - The Force Awaken
Diretor: J.J, Abrams
Duração: 135 minutos
Elenco: Daisy Ridley, John Boyega, Adam Driver, Oscar Isaac, Harrison Ford, Carrie Fisher, Mark Hamill, Simon Pegg, Andy Serkis.
"Décadas após a queda de Darth Vader e do Império, surge uma nova ameaça: a Primeira Ordem, uma organização sombria que busca minar o poder da República e que tem Kylo Ren (Adam Driver), o General Hux (Domhnall Gleeson) e o Líder Supremo Snoke (Andy Serkis) como principais expoentes. Eles conseguem capturar Poe Dameron (Oscar Isaac), um dos principais pilotos da Resistência, que antes de ser preso envia através do pequeno robô BB-8 o mapa de onde vive o mitológico Luke Skywalker (Mark Hamill). Ao fugir pelo deserto, BB-8 encontra a jovem Rey (Daisy Ridley), que vive sozinha catando destroços de naves antigas. Paralelamente, Poe recebe a ajuda de Finn (John Boyega), um stormtrooper que decide abandonar o posto repentinamente. Juntos, eles escapam do domínio da Primeira Ordem."


32 anos depois do final da trilogia que deu início à franquia e 10 anos após a segunda trilogia, Star Wars volta sob a direção de J. J. Abrams, responsável pelo ressurgimento de outras franquias já defasadas.

Iniciando-se com a já conhecida e nostálgica abertura de toda a franquia, esta nos mostra as consequências diretas do final de “O Retorno do Jedi”. A Aliança Rebelde agora tem liberdade para agir abertamente após a queda do império, porém isso só ocorre até o surgimento de uma nova entidade conhecida como a Primeira Ordem. Ela é comandada inicialmente por Kylo Ren, que assim como Darth Vader, é um soldado de outro ser  um Sith mascarado, cuja identidade é desconhecida, e que aparenta ter objetivos de dominação aos moldes do antigo Império. 

O filme inicia com o piloto da Aliança Rebelde, Poe Dameron (Oscar Isaac), que está no desértico planeta Jakku, com o objetivo de obter um mapa com as coordenadas da localização de Luke Skywalker, o tão famoso Mestre Jedi que, por motivos ocultos, desapareceu. Tudo ocorria bem, até que a tropa da Primeira Ordem, comandada diretamente por Kylo Ren, invade o acampamento de Poe, com os mesmos objetivos do piloto. É então que o membro da Aliança esconde tal informação dentro do carismático dróide BB-8, e o faz partir, para que a informação esteja segura. 

BB-8, então acaba por encontrar a coletora de lixo Rey (Daisy Riley), cujo passado misterioso está ligado de alguma forma à força, e, com o apoio de Finn (John Boyega), um ex-stormtrooper que deseja a liberdade, partem em uma viagem rumo a sede da Aliança, enfrentando várias adversidades e encontrando os mais amados e nostálgicos personagens de toda a mitologia Star Wars.

O filme está impecável! J.J. Abrams, assim como Zack Snyder e Edgar Wright é um fanboy, que cresceu lendo histórias e quadrinhos e assistindo a trilogia clássica. Tudo no roteiro é uma grande homenagem, que pega diversos elementos de toda a trilogia inicial, mas adaptado de uma maneira a passar a impressão de frescor e novidade. O ritmo é alucinante, fazendo as 2 horas e 15 minutos do filme passarem despercebidos, sem falar no final que deixa, na medida certa, as pontas para a já confirmada sequência.

Diferente da última trilogia, que usa e abusa do CGI, tornando os filmes completamente artificiais, a parte visual está excelente, com elementos e efeitos práticos (maquiagem e locações) que fazem com que os efeitos especiais deem uma dose de realismo ao filme de modo a complementá-lo. Os personagens, por sua vez, são extremamente carismáticos e bem trabalhados, além de possuir a dose exata de drama e comédia nos pontos certos do filme. Palmas para a direção e o casting!

A direção é uma evolução da direção do George Lucas nos filmes originais: perseguições de naves, sabres de luz, a força, todos os elementos tão admirados pelos fãs colocados de um modo que beira à perfeição. Percebe-se que esse filme é muito mais que um blockbuster com fins lucrativos, mas um presente, de fã para fãs, que carrega todo o cuidado, carinho e amor que só um admirador poderia dar.

Direção segura, excelente elenco, personagens carismáticos, tom certo e um ritmo frenético. "Star Wars – O Despertar da Força" se consolida como o segundo melhor filme do ano (perdendo apenas para "Mad Max – Estrada da Fúria" para essa pessoa que vos escreve) e mostra que a franquia está nas mãos certas, e que veio na hora certa. Que venham as sequências!  


--- Igor Gabriel ---

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.



ATUALIZAÇÕES DO INSTAGRAM