Resenha Especial: O Gato Preto por Edgar Allan Poe


Conto: O Gato Preto
Título: Assassinatos da Rua Morgue e Outras Histórias
Editora: L&PM
Páginas: 160 (51 a 69)
Ano: 2011
O Gato Preto traz um homem que, movido pelo abuso do álcool e pela ira provocada pelo amor incondicional que um bicho pode dedicar a seu dono, vê seu sentimento se transformar em perversidade, e acaba por enforcar seu gato. Perseguido pelo fantasma do gato, ele adota outro animal, que, com o passar do tempo, além de despertar a mesma aversão em seu dono, revela em sua pelagem a marca da forca.

Em "O Gato Preto", Edgar Allan Poe mexe com a sensibilidade do leitor ao apresentar uma história carregada de violência, perversidade e insanidade. Nesse conto narrado em primeira pessoa em forma de memória (ou relato), somos conduzidos pela jornada de um homem que vai de um extremo a outro não só pelo seu vício em álcool, como também, pela deterioração de sua alma causada em decorrência dos seus atos atrozes.

O modo intimista e, por vezes, desesperado do personagem não acende sequer uma fagulha de simpatia no leitor quando ele passa a revelar cada um dos seus crimes horrendos. Pelo contrário, a ansiedade para que ele pague pelo que fez nos domina a ponto de quase deixarmos passar despercebido o fato de que o destino do personagem fora revelado quase que despretensiosamente, já que além de isso ocorrer de forma sutil, logo após a revelação o autor passa a centrar-se no efeito de causas e consequências que acompanha os infortúnios sofridos por um gato nas mãos desse homem que se torna o seu algoz na mesma medida em que a loucura o mantém refém dentro de sua própria mente desajustada.

Escrito em 1843, "O Gato Preto" é alvo de análise textuais até os dias de hoje. Repleto de simbolismos, o conto é um convite para que os seus entusiastas façam suas apostas acerca da intenção do autor com determinados pontos e características que ele trabalha. Particularmente, me senti intrigada a respeito da natureza do gato a quem o seu dono chama de Plutão. Ele é uma figura misteriosa que transita entre as cenas exercendo importantes mudanças no humor do protagonista que vai de uma figura descrita como apaixonada por animais até o ápice de se tornar um maltratador.

Nunca ficou comprovado que foi isso que o autor pensou no momento da criação, já que Poe jamais revelou a que se propunha com a caracterização dos seus personagens, no entanto, estudos dão conta de que durante muito tempo o gato foi uma figura associada ao ocultismo, mais precisamente as bruxas, e por isso o autor teria escolhido esse animal para protagonizar essa história haja vista que não são poucas as cenas em que Plutão surge e desaparece em circunstâncias misteriosas. O fato dele ter recebido um nome tão pouco convencional também teria um significado, dessa vez, relativo a mitologia romana onde faria uma referência ao deus do submundo que nos mitos gregos é chamado de Hades. Isso mostra que a natureza do bichano talvez seja mais sombria do que a se supõe de início.

O fato é que independente das suposições que leitores ao redor do mundo façam a respeito da história, é indiscutível que mesmo para aqueles que não gostam desse tipo de leitura irá se render aos mistérios contidos no enredo. Ainda mais quando Poe vai até o espaço limítrofe da consciência humana para cobrar dele um posicionamento quanto a questão de ser um homem racional ou supersticioso. Mais do que isso, ele também cobra do seu leitor uma análise dos seus sentimentos diante das atrocidades descritas em suas páginas. É tão forte esse ponto, que é impossível não se estarrecer diante do modo magistral que ele transformou uma relação comum – entre bicho de estimação e dono – em algo chocante. 

Em decorrência disso e  por ser carregado de cenas macabras, é provável que os mais sensíveis se sintam incomodados do início até o final da leitura, visto que Poe não é suave nos momentos em que descreve cenas brutais de violência – tanto doméstica, quanto animal. E por mais que seja indegesto em determinados pontos, "O Gato Preto" se torna leitura fundamental para aqueles que desejam observar um desnudar da alma de um ser humano enlouquecido pela culpa.


Animação do conto 'O gato preto'
Existe alguma coisa no amor altruísta e pronto ao sacrifício de um animal que vai diretamente ao coração daquele que teve ocasiões frequentes de testar a amizade mesquinha e a frágil fidelidade dos homens. Pág. 52

P.S. Vale a pena se atentar as edições disponíveis no mercado haja vista que há algumas disponibilizando textos adaptados como integrais, como é o caso da Saraiva de Bolso. Minha indicação para quem deseja um livro com boa tradução e edição é o "Contos de Imaginação e Mistério" da editora Tordesilhas,

--- Isabelle Vitorino ---

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.