Resenha: Alguém Para Amar por Judith McNaught


Conheci os livros da Judith McNaught por acaso, eu estava dando uma olhada despretensiosa no Skoob quando vi os livros da autora com cotações altíssimas, lembro que o livro com nota mais baixa era de três estrelas e meia, o que deu a entender que a escritora era sublime e que suas histórias eram aclamadas por todas as leitoras. Eu, curiosa como sou, fiz um teste e li o primeiro livro. Resultado: me apaixonei!

Título: Alguém Para Amar
Série: Sequelas #3
Autor (a): Judith McNaught
Editora: Best Seller 
Páginas: 704
Ano: 2008
Em “Alguém para amar”, Judith McNaught descreve com impressionante vigor e emoção o romance entre uma condessa, Elizabeth Cameron, e um homem de origem misteriosa, Ian Thorton. Elizabeth foi criada longe dos salões londrinos e não sabia que ligações afetivas e financeiras frequentemente se entrelaçam em sutis arranjos de interesses. Era ingênua demais para suspeitar do comportamento de Ian, um homem atraente e perigosamente hábil nos jogos sociais. Mas dessa união nasce um amor permeado de intrigas, escândalos e irrefreável sensualidade.

Elizabeth é uma condessa que desde muito cedo teve que arcar com grandes responsabilidades, já que após um incidente na sua apresentação a sociedade seu irmão, sua única família, desapareceu misteriosamente. Durante anos ela ficou reclusa em sua casa trabalhando dia após dia para manter sua propriedade e os poucos empregados que lhe restaram, mas em meio a sua vida sem grandes emoções, seu tio, um homem pavoroso e avarento que é quem financia suas dívidas e lhe mantém financeiramente, decide que vai casá-la de qualquer maneira para evitar os gastos gerados por ela. 

E para garantir a realização do seu intento ele envia cartas para todos os pretendentes que um dia já apresentaram uma proposta de casamento a sua sobrinha. Em sua carta ele é sucinto e direto, e afirma que irá mandá-la junto a uma dama de companhia passar uma semana na casa de cada um deles para que juntos pudessem reavivar as memórias antigas, mas apenas três entre os tantos cavalheiros que um dia já se encantaram por ela responderam positivamente, fato que o decepcionou um pouco, já que sua sobrinha era uma verdadeira beleza.  Contudo, sem se importar com os sentimentos de Elizabeth ele a informa sobre sua ardilosa trama, e ela no mais completo desespero pede auxílio a Alex – sua melhor amiga – e a Lucinda – sua dama de companhia – para armar um plano que pudesse espantar os três pretensos noivos, incluindo um certo escocês a quem um dia ela chegou a amar e que foi o principal responsável por ela ter tornado-se uma pária social.

Alguém Para Amar foi um dos melhores livros que li este ano, devorei suas 704 páginas em pouco mais de dez horas e foi algo muito natural para mim, não me requereu grandes esforços o que não se pode dizer de todos os livros com esse número de páginas. Todavia, acredito que o grande segredo das histórias de McNaught que prendem o leitor de modo peculiar, é a maneira como ela constrói a trama, pois diferente de muitos autores ele trabalha a dualidade de forma muito concisa, seus enredos são sempre cheios de amor e ódio, traição e perdão, ingenuidade e desconfiança, de modo que é impossível não se sentir arrebatada por suas palavras.

Pelo que me recordo este foi o quarto livro que li dela, o primeiro foi Agora e Sempre que é muito especial para mim e talvez, seja o meu predileto até o momento, mas nem por isso este livro torna-se menos grandioso, menos encantador, principalmente por que ele traz personagens que te faz sentir a mesma dualidade com a qual a autora insiste em escrever, já que na mesma medida que você os ama, você também odeia as atitudes deles e torce para que eles saiam da completa ignorância e orgulho e assumam seus verdadeiros sentimentos e encarem uma sociedade preconceituosa que esquece os escândalos e erros de seus integrantes apenas com o temor de terem como desafetos famílias importantes e ricas. 

Com relação aos personagens principais, pode-se dizer que Elizabeth é uma mocinha nada convencional, é mais fácil ela chorar de raiva do que tristeza, sua coragem é tão grande que ela parte nessa jornada na qual o seu tio a colocou de cabeça erguida apesar de estar destruída por dentro com a certeza de que terá que encontrar com o homem que destruiu sua vida. Por outro lado, Ian é um dos cavalheiros que mais demorou em me cativar, o achei tão prepotente, tão cheio de si, que foi difícil aceitar o modo passional como Elizabeth agia diante das implicâncias dele, embora que como todo o livro de McNaught nós sempre acabamos rendidas diante dos encantos de seus mocinhos (risos) e nos encantando profundamente com os seus finais felizes. Em poucas palavras posso dizer que este é um livro memorável e que vale a pena ser lido, em qualquer tempo, em qualquer lugar. Recomendo muito!

— Escute-me com atenção, meu querido, pois vou lhe dar um aviso bem claro de que não permitirei que faça isso conosco. Você me deu seu amor, e eu não vou deixar que o tome de volta. Por mais que você tente, mais força eu terei para lutar. Vou assombrar seus sonhos à noite, exatamente como você fez com os meus, em todas as noites em que ficamos separados. Vai permanecer longas horas acordado, desejando-me ao seu lado, e sabendo que eu também estarei ansiando por você. E quando não puder mais suportar... — prometeu, dolorosamente —, então voltará para mim, e eu estarei à sua espera. Vou chorar em seus braços e lhe dizer o quanto lamento todo o mal que lhe causei, e você me ajudará a encontrar uma maneira de perdoar a mim mesma...

— Maldição! — ele gritou, o rosto pálido de fúria. — O que mais é preciso para fazê-la parar?

Ela encolheu-se sob o ódio na voz que amava tanto. E rezou para conseguir dizer tudo o que tinha a dizer sem começar a chorar.

— Eu o magoei demais, meu amor, e vou continuar a magoá-lo nos próximos cinquenta anos. E você também vai me ferir, lan, embora eu espere que nunca mais seja tanto quanto está me ferindo agora. Mas se é assim que tem de ser, vou suportar tudo, pois minha única alternativa seria viver sem você, e isso é o mesmo que a morte. A diferença é que eu sei disso, e você... ainda não sabe. Pág. 661 e 662
 --- Isabelle Vitorino ---


11 comments

Jadi Soares 17 de outubro de 2012 22:30

Minha nossa, preciso ler esse livro! Adoro romances, acho que esse é bem diferente destes que eu leio, preciso de algo de época. HAHAHAHA
Os livros dessa autora são sempre tão perfeitos. Esse não é nada diferente, a Judith brinca com nossos sentimentos tanto quanto brinca com os personagens.
bjim

Amanda.. 18 de outubro de 2012 00:21

Gostei bastante, já conhecia a autora, foi por acaso também, li um unico livro da autora, mas me marcou bastante.
Li todo ar que respiras, muito bom..

Ana Paula Barreto 18 de outubro de 2012 09:48

Nunca ouvi falar da autora, nem do livro, mas fiquei completamente encantada. Goste de romances de época e adoro tramas e artimanhas! *-*
Os personagens parecem bem construídos, cheios de contradições (o que é ótimo, pois a vida é assim) e encantadores!
ALGUÉM PARA AMAR vai para minha lista de leitura.
bjs

Ana Luísa 18 de outubro de 2012 14:52

Legal a resenha, fiquei interessada, vou lê-lo com certeza, parece ser um ótimo romance que nos prende em cada página.

Clara Beatriz 21 de outubro de 2012 22:22

Nossa adoro livros assim, se nao foi impressão minha essa historia envolve um pouco mistério, o que eu amo, vou procurar saber mais sobre esse livro, amei a resenha.

Segredos em Livros 23 de outubro de 2012 14:03

Ah, nossa não acredito que nunca tinha ouvido falar dessa autora nem do livro. Me interessei bastante..acho que tem a minha cara rsrs. Adorei a sua resenha e os quotes. Parabéns pela leitura rápida. É tão bom quando a leitura flui assim né?! Bjs, Fê
http://segredosemlivros.blogspot.com.br/

Amor de Livros 24 de outubro de 2012 19:15

Adoro a Judith Mcnaught e esse foi o segundo livro que eu li dela e até hoje é o meu preferido. A história é envolvente... Parabéns pela resenha. Adorei!

Niii
Amor de livros
http://amordelivros.blogspot.com.br/

Paula Camargo 26 de outubro de 2012 16:03

Nunca tinha ouvido falar desse livro,mas me encantei por ele durante a resenha,acho que vou comprar,pq minha mae também adora romances de época!

Rosana Apolonio 30 de outubro de 2012 02:30

As histórias de Judith são realmente maravilhosas. Eu amei o livro da Alex (a amiga de Elizabeth), elas são amigas por uma ótima razão, ambas são muito fortes. Além disso, acredito que nunca vou me cansar da escrita dessa autora, ela é sempre a melhor opção quando não se sabe o que ler. ;)

Jessica Lisboa 30 de outubro de 2012 16:20

Sou o tipo de pessoa que julga o livro pela capa, eu nao daria nada para esse livro, mas agora que li a resenha me encantei pelo enredo da historia do livro. Acho que a capa poderia ser melhor, enfim.
Ps: Livro meio grandinho não ? (O.O)

Samira Chasez 30 de outubro de 2012 18:23

Oi..

Eu li esse livro a muito tempo atrás e tenho que dizer que gostei muito dele.. E essa autora é muito boa, sempre costumo ler os livros dela.

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.