Resenha: A Noite dos Mortos-Vivos e A Volta dos Mortos-Vivos por John Russo

Uma coisa é certa: Os mortos nunca mais fôramos mesmos depois de John Russo e George Romero.

Título: A Noite dos Mortos-Vivos e A Volta dos Mortos-Vivos
Autor: John Russo
Editora: Darkside
Páginas: 320
Ano: 2014
Onde comprar: Amazon | Saraiva |  Submarino
A DarkSide® desenterra mais um clássico do terror e vai direto na fonte: A Noite dos Mortos-Vivos, considerado uma das maiores obras-primas do gênero e um livro obrigatório para os fãs de The Walking Dead, Resident Evil, Orgulho e Preconceito Zumbi e tudo aquilo que englobe os carismáticos comedores de cérebros. Se hoje os zumbis estão em alta é porque, em 1968, George Romero e John Russo se reuniram para escrever o roteiro de A Noite dos Mortos-Vivos e mudar a história do cinema. O filme revolucionou o mito sobre as criaturas que voltavam do além: as superstições vodus das velhas produções B deram lugar à epidemia de fome canibal nas ruas norte-americanas. Criaturas similares já haviam aparecido antes nas telonas, mas foi em A Noite dos Mortos-Vivos a primeira vez em que foram retratados como uma praga devoradora de carne humana. O próprio John Russo (que também atua no clássico de 1968 como um zumbi) adaptou a história do filme neste romance que a DarkSide® traz para o Brasil. A Noite dos Mortos-Vivos inclui ainda uma surpresa para os leitores: o texto integral da sequência do clássico, que nunca chegou a ser filmada, chamada de A Volta dos Mortos-Vivos (não vai confundir com a comédia trash de 1985, que também contou com Russo no time de roteiristas). Depois de 45 anos, finalmente é publicado no Brasil o romance do filme que marcou gerações.

Promoção: A Colônia por Ezekiel Boone


Eu não poderia deixar o mês do "Mundo do Terror" passar em branco para os leitores do blog. Pensando nisso, a editora Suma de Letras e o Mundo dos Livros se uniram para dar de presente para um leitor o livro "A Colônia" do autor Ezekiel Booner. Se você tem fobia a aranhas talvez esse livro não seja o mais indicado para você... a não ser que queira um verdadeiro tratamento de choque!

Resenha Especial: Morella por Edgar Allan Poe

Edgar Allan Poe é sempre uma leitura interessante, principalmente nos seus escritos que tratam sobre a morte e a vitória sobre ela. Em "Morella" é possível encontrar isso e muito mais.


Título: Morella
Livro: Contos de Imaginação e Mistério
Autor: Edgar Allan Poe
Editora: Tordesilhas
Ano: 2012
Páginas: 183-190 (424)
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino

Morella era uma mulher diferente de todas que ele já conheceu. Com uma educação excepcional, ele estava encantado com o que ela podia lhe oferecer. Seus olhos misteriosos, bem como, seus pensamentos, o impeliam a querer aquela mesma devoção que ela tinha. Mas nem mesmo seu desejo de sentir aquilo que sua esposa sentia foi suficiente para fazer com que ele alcançasse aquilo que tinha. Afastando-se lentamente dela, tudo o que ela representa passa a incomodá-lo a tal ponto que Morella nota a falta de amor nele. Aguentando com resiliência aquele casamento estilhaçado, em seu leitor de morte ela lhe diz que a sua partida não era o fim e que tudo o que ele deixou de sentir por ela em vida, retornaria após a sua morte. Ele atribui seu prenúncio unicamente ao delírio de alguém que está prestes a morrer. Entretanto, quando se dá conta do que ela falou correspondia com perfeição a realidade que ele passa a viver, não há nada mais a ser feito senão aceitar o seu destino funesto.

Resenha: Gigante do Volante por Stephen King

O livro "Escuridão Total Sem Estrelas" do escritor Stephen King traz quatro contos aterrorizantes para os seus leitores. Explorando medos e anseios distintos, o autor brinca com o perigo e nos mostra que nem sempre o pior terror tem origem naquilo que é sobrenatural, como, por exemplo, o caso do "Gigante no Volante" que eu trago para vocês hoje.

Título: Gigante do Volante
Livro: Escuridão Total Sem Estrelas
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2014
Páginas: 149 a 264 (393)
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino
Em "Gigante do volante", após ser estuprada por um estranho e deixada à beira da morte, Tess, uma autora de livros de mistério, elabora uma vingança que vai deixá-la cara a cara com um lado desconhecido de si mesma.

Resenha: Jogos Macabros por R.L. Stine

O que você faria se fosse convidado para ir a uma festa de aniversário em uma ilha isolada que pertence a uma família estranha e, pelo que dizem, sádica? Mas mais importante, o que você faria se alguém começasse a caçar os convidados? São essas as indagações que a protagonista da resenha de hoje precisa responder se quiser sobreviver aos “Jogos Macabros”.

Título: Jogos Macabros
Série: Rua do Medo #52
Autor: R.L. Stine
Editora: Globo Alt
Ano: 2016
Páginas: 280
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino
Tal como os outros títulos da coleção, a história se passa na velha cidade de Shadyside, nos EUA, conhecida por ser palco de acontecimentos misteriosos e aterrorizantes envolvendo os alunos da escola local. Todos na região conhecem a excêntrica e rica família Fear, e sabem também do passado terrível que os assombra. Apesar desses histórico nada promissor, Brendan Fear parece ser um garoto diferente de sua família. Gentil e simpático, o jovem vive rodeado de colegas e chama a atenção de Rachel Martin, uma garota simples, colega de classe dele. Quando o aniversário de Brendan está prestes a chegar, ele começa a planejar uma comemoração um tanto diferente na isolada ilha do Medo, onde existe um casarão de veraneio pertencente à família Fear. Rachel é uma das convidadas para passar o final de semana no local sombrio e, contrariando os avisos dos amigos, decide ir. No caminho, coisas estranhas já começam a acontecer e, ao chegarem à mansão, Brendan dá as coordenadas para o início de um jogo que se revelará o mais mortal de todos. Repleto de reviravoltas, Jogos macabros mantém o leitor apreensivo da primeira à última página. Como todo bom enredo de R. L. Stine, a história dá espaço a fantasmas, assassinato, traição e romance, e marca, enfim, um retorno triunfal do autor à Rua do medo.

Resenha: Melodia do Mal por John Ajvide Lindqvist

Olá, pessoal! A resenha de hoje traz um terror psicológico de revirar o estômago de tão surpreendente. O autor desta obra conseguiu me arrepiar da cabeça aos pés com a frieza de sua protagonista. Ficaram curiosos? Então vamos embarcar nessa história tenebrosa!

Título: Melodia do Mal
Autor: John Ajvide Lindqvist
Editora: Tordesilhas
Ano: 2014
Páginas: 488
Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino
O músico frustrado Lennart Cederström encontra, no meio de um bosque, uma bebê recém-nascida à beira da morte. Sem nada que diga de onde ela veio ou como foi parar lá, a bebê começa a cantar perfeitamente. Assombrado, Lennart a leva consigo para sua casa, em que vive com a mulher e o filho rejeitado, e a prende no porão. Apelidada de Pequenina pela família postiça, a criança cresce isolada do resto do mundo e, quando finalmente sai do cativeiro, acaba por revelar uma força sinistra e assustadora, deixando um rastro de sangue e angariando seguidores fanáticos em seu caminho.

Tem No Netflix: Animações Especiais Para o Dia das Crianças com o Espírito do Halloween


Ao ler o título desse post você deve estar imaginando o porquê uma criança veria animações um tantinho assustadores, não é mesmo? Mas as minhas dicas de hoje não são bem para os pequenos e sim para aqueles que já estão crescidos e que ainda mantém dentro de si aqueles medos da infância que parecem reais até hoje.

Sabia que eu tenho uma fobia desenvolvida quando criança e que eu nunca consegui superar? Sim. Eu morro de medo de palhaços! Não faço ideia do que faria se tivesse nos Estados Unidos nesse momento em que palhaços estão sendo vistos no meio de estradas e se esquivando por bosques sombrios... A verdade é que tampouco saberia o que fazer se tivesse que encarar as aventuras que os protagonistas das animações que trouxe tiveram que enfrentar. E você, se saíria bem se caísse no universo dessas histórias? 

Mundo do Terror: Uma Breve História do Halloween


Há mais tempo do que podemos imaginar, um festival pagão deu origem a uma das comemorações mais enigmáticas que temos no nosso calendário. O uso de fantasias, a fogueira, a entrega de doces, a lanterna de abóboras são apenas alguns dos elementos que compõe algo muito maior que é o Halloween. A história dá conta que a origem da palavra Halloween está intimamente ligada ao Dia de Todos os Santos (All Hellows' Eve, em inglês), segundo nos conta os historiadores do History Channel em seu documentário "A Verdadeira História do Halloween". Mas o que está por traz desses elementos misteriosos que dão o tom dessa festividade tão envolvente? É isso que tentaremos desvendar hoje.