Resenha: Sangue Quente por Isaac Marion

Faz cerca de um mês que eu trouxe para vocês uma resenha da série The Walking Dead (para ver clique aqui) e como eu comentei nesse post que um dia traria a resenha desse livro para vocês, aqui estou eu para cumprir minha palavra. Espero que vocês gostem e que leiam tudo!
  
Título: Sangue Quente
Autor: Isaac Marion
Editora: LeYa
Páginas: 256
Ano: 2011
Em algum momento da história, os zumbis apareceram e agora o mundo está destruído. Os humanos normais fugiram para dentro dos enormes estádios de futebol e lá criaram suas pequenas comunidades. Mas nossa história é contada do ponto de vista de R, um zumbi que se arrasta como os outros, caça como os outros, come carne e cérebros (a mais fina iguaria) como os outros, mas que, às vezes, tem sonhos de como era ser humano, tenta se lembrar de sua vida anterior e filosofa sobre isso. Um dia, em uma caçada, R encontra Julie e, no meio da carnificina que seu grupo impõe ao dela, algo o impede de matá-la. Mas o que aconteceu? Será que ele é diferente? É possível haver atração entre humanos e zumbis? Serão eles Romeu e Julieta de um mundo pós-apocalíptico?

R é um zumbi como qualquer outro, sem perspectivas de uma vida pós-morte ou de uma mudança em seus hábitos, numa noite de caçada com seus companheiros ele se depara com um grupo de jovens que seria sua próxima refeição, contudo, após matar um deles e ir em direção a sua próxima vítima algo nele o faz parar sua caçada e ele passa a sentir um sentimento de proteção com relação a jovem. Abismado com aquilo que se passa em sua mente ele decide levar a jovem consigo sob o pretexto de que se deixá-la outros zumbis irão matá-la, mas ele não esperava que a jovem fosse uma guerreira e lutasse com ele, pelo que ela acreditava ser uma luta por sua vida. Porém, após conseguir convencê-la de que ele não vai machucá-la ambos voltam para o local onde o grupo de zumbis vive e passam a compartilhar uma vida juntos, onde descobrem que às vezes o exterior não condiz em nada com o interior de cada um, e principalmente, que para mudar o mundo cada um tem que fazer a sua parte e não apenas ficar sentado, esperando que as coisas aconteçam.

Em Sangue Quente, Isaac descreve uma sociedade imediatista, mas que em contra partida adora postergar. É surpreendente como podemos nos ver descritos ali, naquelas linhas precisas e férreas, principalmente porque os personagens desse livro são tão bem construídos que parecem ter vida própria e acabam por saltar das páginas a todo o momento para afirmar uma e outra vez, aquilo que o seu criador está nos dizendo. Sobre estes, posso dizer que R é um zumbir encantador. E não é só porque ele luta contra a sua natureza em busca de mudança e de seu “felizes para sempre” com a mocinha, não, ele conquista por ter personalidade, por errar e pela incansável vontade de acertar. O mesmo posso dizer de Julie, pois ao contrário daquelas mocinhas chatas que passam o livro inteiro “Oh Day! Oh Night!” ela tem firmeza no que diz, é forte, não é puritana e tão pouco dependente do mocinho. Ela sobrevive e sobressai sozinha. 

Tudo isso não soa encantador? E quando vem com uma dose maravilhosa de filosofia não fica melhor ainda? Pois bem, Isaac conseguiu com proeza coordenar tudo isso sem ser pedante e fez um livro maravilhoso que me conquistou de modo profundo. Entretanto, desde já aviso a aqueles que leem um livro apenas pelo romance do casal que nem se aproximem desse livro, porque o objetivo dessa história não é só esse, já que o autor foca desde o princípio em nos mostrar o que a união de duas ou mais pessoas podem fazer com uma sociedade sem fé e sem esperança. A única coisa que me incomodou no livro não tem nada haver com a história ou com o autor, mas sim com a edição. Gente, encontrei tantos erros de pontuação que eu fiquei abismada! Contudo, não é nada que vá atrapalhar aqueles que não prestam atenção nisso, mas é bom deixar registrado isso para que quem sabe a editora melhore nos seus próximos trabalhos. Atenção nunca é demais!


Isaac Marion conseguiu fazer com Sangue Quente uma incrível analogia a nossa sociedade, é impossível não reconhecer em suas linhas paradigmas da vida que vivemos hoje, seu tom melancólico que expõe para o leitor a real existência dos seres humanos causa uma urgência em parar para refletir cada frase e cada pensamento. Com certeza um livro para se ter sempre a mão. Mal posso esperar para ler outros títulos desse brilhante escritor contemporâneo.

 
Nenhuma história. Apenas estamos aqui. Fazemos o que temos fazer, o tempo passa e ninguém faz nenhuma pergunta. Mas como falei antes, não é tão ruim. Pode parecer que não temos cérebro, que não pensamos, mas não é verdade. As engrenagens enferrujadas da coerência ainda funcionam, só que em uma velocidade cada vez mais lenta, até que o movimento externo fique praticamente imperceptível. Nós grunhimos e gememos, damos de ombros e acenamos com a cabeça, e, às vezes, até uma palavra ou outra saem dos nossos lábios. Não é tão diferente de antes. Pág. 14

Playlist:


--- Isabelle Vitorino ---

16 comments

Leticia Tavares 10 de agosto de 2012 19:36

Adoreo a sua resenha e achei o livro maravilhoso.... E vou coloacar na minha lista porque quero muito ler esse livro.. Valeu pela a dica, amei o livro.. =/

Samira Chasez 10 de agosto de 2012 19:52

Após ler a sua maravilhosa resenha fiquei morrendo ou melhor louca de vontade de ler esse livro.... Adorei ler e vou comprar para ler ele.. Obrigado pela a dica desse livro maravilhoso...

Carolina Lopes 10 de agosto de 2012 22:36

Já estava com vontade de ler esse livro antes, depois da sua resenha então, fiquei louca!
Preciso ler logo Sangue Quente!!!
Beijos, Carol.

Jadi Soares 10 de agosto de 2012 23:10

Eu quero esse livro, realmente sua resenha me deixou ansiosa para ler vou atrás dele agora nos sites e ver se acho, muito boa a história já tinha ouvido falar e tbm ja tinha lido outras resenhas sobre ele e me despertou totalmente a curiosidade de saber mais.
já ouvi comentarios de que havera uma adaptação pro cinema.
bjim

Amanda.. 10 de agosto de 2012 23:40

Gostei bastante da resenha, do book trailer e também da Playlist, pelo que eu entendi é um livro que te faz pensar, fazer comparações com a realidade, no trecho que vc colocou mesmo, me lembrou o que uma prof minha vivia falando, nós estamos cada vez mais com preguiça de pensar, aceitamos as coisas como elas são sem questionarmos..

Anna Cristina Amaral Rocha 11 de agosto de 2012 00:33

Eu li sobre esse livro em algum lugar, mais não me lembro onde.. Gostei da historia, achei interessante o fato de um zumbir ser diferente rsrs quero saber como ela termina, agora eu fiquei curiosa.. haha' Ele vai entrar na lista do proximo livro a ser comprado! o/
aah.. ADOREI a resenha!

Beijoos ;*

Fellipe 11 de agosto de 2012 12:13

Não esperava que esse livro fosse tão bom! Já tinha visto a capa e um pouco da sinopse, mas não tinham me interessado. Agora lendo a resenha fiquei curioso.
É bom saber que os personagens não são chatos e dramaticos!

Jenice Franca 11 de agosto de 2012 12:26

Resenha muito bem escrita,Isabelle.Eu li tudo ,ok? rs Uma sociedade imediatista que adora postergar! Qualquer semelhança " não" é mera coincidêcia, é crítica translucidamente explícita ao nosso atual comportamento.Não tenho dúvidas que esta história ressoe interessante,mesmo com erros de pontuação.Olha,costumo achar um absurdo estes erros banais que as editoras não insistem em reproduzir...gente, revisor esxiste para isso.

Abraços

Jessica Lisboa 11 de agosto de 2012 16:50

Gostei da playlist. a capa tamebm é muito interesante, mean essa resenha me deixou muito curiosa para ler esse livro. Adoro a serie//HQ de The Walking Dead.

Diziano Machado da Conceição 15 de agosto de 2012 09:13

Genial, eu nunca iria ter uma ideia dessas, humano com zumbi fica bem louco. Concordo com a Jessica no quesito playlist. Parece ser bem ao contrário do "Conselho de Amigas" que possui os personagens chatos. A resenha faz agente ter vontade de ler o livro. Foi muito bem..

Alessandra 20 de agosto de 2012 20:52

A capa chamou minha atenção, mas a história não... =/
É feio comprar um livro só por causa da capa,né? hahahah

Gosto não se discute, e fico feliz por vc ter gostado

Diziano Machado da Conceição 24 de agosto de 2012 16:46

Alessandra eu não acho feio comprar o livro somente pela capa. Mas muitas vezes um livro de capa feia é muito bom. Eu estava vendo um livro da J.K. Rolling que era horrível: "The Casual Vacancy", eu não li para dizer que o livro é bom mas vindo desta autora eu diria que deve ser muito bom. Ou não devo julgar pelo autor? kkk

Constantino Tarouco 26 de agosto de 2012 20:19

Bah, que livro bom.. Resenha bastante produtiva e excelente escolhas de palavras.. Eu achei esse livro muito bom e fiquei com vontade de ler ele e eu nunca tinha ouvido falar dele.

Paula Camargo 31 de agosto de 2012 10:38

Adooro temas de zumbi *__*! Me lembra tanto de TWD! amei a reseenha e necessito desse livro urgente,vou procurar alguma promoção!

Kazake 31 de agosto de 2012 20:38

Vi o livro na bienal, e a vontade de comprar bateu. Mas estava MUITO caro, sério. Nem deu.

EricaMarts 31 de agosto de 2012 22:48

Não li nenhum livro com tema de Zumbi ainda e esse não vou ler tão cedo. Acho que vou esperar lançar o filme para ter um incentivo a lê-lo. Só de pensar num romance com algo em decomposição (não sei se os zumbis do livro é isso mas...) me dá nojo. Acho que o filme deve dar foco no romance por algumas notícias que andei lendo. Enfim, quando estreiar vou saber se é isso mesmo.

Bye

Postar um comentário

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre.

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.

- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie para o e-mail.